Suplementação e Atividade Física

Nesse último Sábado (26/09/15) foi realizado um Simpósio da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia – Regional Paraná (SBEM PR) com o tema: Suplementação e Atividade física – Mitos e Verdades.

O evento foi realizado em Curitiba e contou com a transmissão simultânea para Londrina.

Participaram do evento, 23 colegas Endocrinologistas de Londrina e região.

As palestras foram muito proveitosas, com especialistas nesse assunto que abordaram o tema com o rigor científico desejável.

A discussão desse tema é muito importante pois existem informações desprovidas de rigor científico que são veiculadas pela internet para o público leigo.

Nas academias de ginástica, proliferam-se pessoas que carregam seus suplementos de carboidratos, proteínas, etc, que em grande parte das vezes, usam esses produtos com base em informações equivocadas.

O desejo de ganhar músculos e perder gordura atraem essas pessoas que muitas vezes utilizam produtos que podem fazer mal à Saúde.

Nós endocrinologistas e também as nutricionistas, devemos orientar essas pessoas para que não utilizem suplementos sem a real necessidade e hormônios anabolizantes com objetivos estéticos que tragam riscos à saúde.

 

Gestante com diabetes pode ter bebê com diabetes?

Dificilmente um bebê nasce com diabetes. A gestante com diabetes bem controlado tem bebês normais. Se o diabetes não for bem controlado na gestação, o bebê pode nascer com peso excessivo e apresentar hipoglicemia logo ao nascer. Os filhos de mães com diabetes ou diabetes gestacional vão ter maior chance de desenvolver diabetes na vida adulta.

Diabetes é contagioso?

Não.

O diabetes não é transmitido entre as pessoas.

Há uma predisposição genética a desenvolver a doença quando há outros casos na família.

 

 

 

 

Redução na taxa de complicações relacionadas ao Diabetes no período de 1990-2010

Estudo recente publicado numa das mais importantes revistas científicas do mundo ( New England Journal of Medicine) mostra que houve redução nas taxas de complicações do Diabetes nos EUA no período de 1990 -2010.

Nesse estudo foi observado redução de – 67% de Infarto do Miocárdio, – 64% de mortes relacionadas a crises de hiperglicemia, – 52% de ocorrências de AVC e – 51 % de amputações de membros inferiores.

É uma boa notícia para nós médicos e, claro, para as pessoas que tem diabetes, pois sugere que nos últimos anos, apesar de ter havido um aumento do número de casos de diabetes, estamos detectando a doença mais precocemente e tratando melhor.

Nesse período, houve mudanças nos critérios diagnósticos de Diabetes que contribuíram para o diagnóstico mais precoce da doença. Houve também avanços nos métodos de monitorização da doença (aparelhos glicosímetros portáteis e exames de sangue) e nas alternativas de tratamento com medicamentos e até mesmo cirurgias ( Cirurgia Bariátrica).

Apesar de ser um estudo realizado somente nos EUA, acredito que no Brasil esteja ocorrendo resultados semelhantes pelo menos para as pessoas que tem acesso a serviço de saúde de qualidade. Ainda assim, temos muito a melhorar.

Você sabe quanto açúcar tem no refrigerante?

Há muita dúvida entre os paciente com diabetes sobre as bebidas com adoçante. 

A grande pergunta é se existe ou não açúcar nos refrigerantes diet e light.

Esse vídeo mostra a experiência para identificar a presença de açúcar e de adoçante no refrigerantes.

 

 

 

Não consigo emagrecer porque tenho Hipotireoidismo

Não emagrecer por causa do Hipotireoidismo é Mito. 

O Hipotiroidismo (falta de hormônio da tireoide) quando não tratado ou tratado incorretamente pode levar ao ganho de peso. No entanto, quando tratado corretamente não influencia no peso.

O paciente que mantenha os níveis de hormônio da tireoide normais não tem porque engordar.

Esse mito se deve ao fato de que, antigamente, o diagnóstico do hipotireoidismo era muito tardio onde havia ganho de peso e inchaço.

Atualmente, o diagnóstico do hipotireoidismo é feito, na maioria das vezes, bem mais cedo numa fase onde há poucos ou nenhum sintoma da doença.

Outra situação que confunde é o fato de a doença surgir após os 40 anos de idade.

Nessa fase, fica mais fácil ganhar peso pela diminuição do gasto de energia do organismo relacionada ao envelhecimento.